segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

O primeiro aniversário virou o primeiro carnaval

Quem diria, há alguns meses eu estava nos preparativos do quarto da Luíza e esta semana estou nos preparativos de seu primeiro ano de vida.
O primeiro aniversário também é um grande desafio para uma MPV (Mãe de primeira viagem). Sempre fui contra fazer o aniversário de um ano em salões infantis. Achava que a festa era para os adultos e a pobre criança aniversariante pouco iria interagir com todos aqueles brinquedos eletrônicos, balanços, trenzinhos, etc. Mas depois que me deparei com o número de convidados – e depois de ter certeza que eu estava vendo uma lista de aniversário e não uma de casamento – entendi o porquê dos pais decidirem fazer as primeiras festas em salões infantis. É muita gente! Mas ok, são pessoas muito queridas e que fazem parte de nossas vidas. Nada mais justo que todos comemorando juntos a felicidade que nos rodeia.
Enfim, tema escolhido, cardápio quase certo e local completamente indefinido, já que o salão aqui do prédio não comporta a famosa lista de convidados. Daí, partimos para a decoração. Qual o melhor lugar para se pesquisar sobre decoração de festa infantil? Quem pensou no maior comércio ao ar livre da América Latina, acertou. E lá fui eu para a 25 de Março.
Mais que nunca notei como eu não tenho o mínimo conhecimento de festas infantis. Como uma legítima MPV fiz uma pesquisa meticulosa em diversas lojas de decoração. Pouca diferença de preços e quase nenhuma diferença de qualidade ou criatividade no material. Até que começaram a me perguntar: “Mas a senhora não quer ver nenhum piruliteiro ou baleiro para a mesa?” O quê? Ela nem sabia se eu iria servir pirulitos. “E decoração para o topo do bolo? Temos em isopor, ou se preferir em papel arroz”. Novamente não entendi nada. Na minha época uma vela incrementada era o suficiente. Não é mais?
E as perguntas continuavam. “Você fará sacola surpresa ou saquinhos de plástico?”, “Qual o tamanho da parede para que possa escolher o painel?”, “Vai babado de mesa?”, “Casinha com luz dentro ou aquela que gira?”. Chegaaaaa. Se a festa de um ano já está nesse nível, nem quero ver como será a festa de quinze anos...
Apesar de tudo, a ida à 25 de março foi um grande aprendizado. Embora eu não tivesse efetuado nenhuma compra, a pesquisa de preço e especialmente o conhecimento de todo o material disponível me fez sentir uma verdadeira expert em festas temáticas.
Na volta ao metrô, subindo a Ladeira Porto Geral, não resisti e entrei em uma daquelas lojas de fantasias, que nessa época do ano estão fervendo de opções e ávidos compradores. Mesmo fugindo do me objetivo de aniversário, saí orgulhosa com uma sacolinha em mãos. E tenho a dizer que a Luíza será a mais fofa odalisca do próximo carnaval.

Beijos carnavalescos a todos!!!

2 comentários:

Caru disse...

hahaha, que diversão! garanto que a preparação é quase tão divertida quanto a festa.

Sobre Carnaval, nem preciso dizer né? Manda fotos!!!
bj

Luciana Santos Silva disse...

Já estou ansiosa pela festa!!!

bjo grande